Pular para o conteúdo

Viajando pela Italia – parte 1

setembro 10, 2018

Como disse no post anterior, antes de nos atirarmos de mala e cuia na Itália, optamos por ver com nossos próprios olhos o que era a tal da Itália.

Decidimos por conhecer cidades de todo o tipo e montamos um roteiro de quase um mês, de Norte a Sul, com cidades super turísticas e outras nem tanto.

Vou dividir a viagem em dois posts:

1 – Acomodações, transportes e coisas que deram errado ou que não gostamos;

2 – Passeios, dicas e coisas legais.

Para as acomodações estipulamos um teto máximo de 70 euros pros 2, ou seja, nada de hotéis de luxo.

Fizemos todas as nossas reservas de acomodação pelo Booking ou pelo Airbnb. Eu particularmente prefiro o Booking pois tem a opção de pagar no local em dinheiro, o que nos possibilita de fugir de muitas taxas, por esse motivo reservamos o máximo que conseguimos pelo Booking e só as demais fizemos pelo Airbnb, pois tem que pagar na hora da reserva.

Como começamos a fazer as reservas no fim do ano de 2016 e a viagem seria em Abril de 2017, conseguimos muita coisa bacana por um preço mais acessivel. Sugestão: assim que tenha as passagens compradas, monte o roteiro e comece a reservar as acomodações pra poder pagar menos e se hospedar melhor.

1 – Roma  – Apartamento inteiro reservado pelo Booking pago em dinheiro – 60.

Roma a Tivoli de trem.

2 – Tivoli  – Apartamento inteiro reservado pelo Booking pago em dinheiro – 58.40

Tivoli a Milão de trem.

3, 4  e 5– Milão-  Apartamento inteiro reservado pelo Airbnb pago no cartão em 3x – R$ 638.

Milão a Como de trem e Como a Musso de ônibus.

6 e 7 – Musso  – Apartamento inteiro reservado pelo Booking pago em dinheiro – 110.

8 e 9 – Milão – Pegamos o mesmo apartamento anteior e o proprietário concordou em reservar direto com a gente, e por isso pagamos no local – 100.

Milão a Veneza de trem.

10 e 11 – Veneza – Apartamento inteio reservado pelo Airbnb pago no cartão – R$ 513.

Tivemos problemas pois a localização do apartamento era incorreta, pagamos por um apartamento com uma localização melhor do que realmente era. As fotos não faziam jus ao apartamento e o anfitrião era muito mal educado.

Em suma, Veneza me decepcionou muito pois foi a única cidade onde fomos mal tratados, literalmente com hostilidade em um restaurante. Durante um passeio decidimos descansar um pouco, fazer um lanche, tomar uma água e um café. Quando sentamos a mesa, começaram a nos xingar em Italiano, acontece que xingamento, todos nos que somos de origem Italiana, conhecemos bem. Nos levantamos e saimos do local. Mas isso, hoje quando comento sobre Veneza inclusive com os Italianos, todos dizem que são mal tratados , então fique tranquilo, tu vai ser mal tratado como todos, não por ser estrangeiro. E ainda por cima, tentaram abrir a mochila do Gabriel na rua! Fiquem atentos nas ruas de Veneza!

Até esse momento sempre deixamos pra comprar as passagens de trem um dia antes da partida pois não era alta estação. Acontece que quando fomos comprar a passagem de trem de para Pisa todos os trens em horários da manhã estavam lotados e por esse motivo, tivemos que pegar um trem no horário da madrugada, que era em torno das 5 da manhã, se não me falha a memoria. Esse trem faria uma parada na estação central de Veneza onde deveríamos trocar de trem para então pegarmos o trem para Pisa.

Entramos no trem, tinha umas 20 pessoas, não creio que mais que isso afinal era o trem mais cedo do dia, chegamos na estação central de Veneza onde devíamos descer e as portas do trem não se abriram. Todos se posicionaram em uma das portas da cabine, que não abriu, então, algumas pessoas começaram a andar em direção a outra porta no fundo da cabine, porém praticamente todos tinham malas a carregar o que tornava o deslocamento bastante lento, nisso o trem começou a andar, e as pessoas se desesperaram, algumas começaram até a chorar, sendo que o destino final daquele trem era Roma. Nisso eu puxei o freio de emergência e o trem parou, faltava 10 minutos para nosso trem com destino a Pisa partir. Corremos nos trilhos do trem mesmo, com mala e tudo para chegar ao nosso trem, totalmente apavorados e desesperados. Por motivos obvios levamos um xixi do responsável pelo trem que iríamos pegar, disse que deveriamos fazer a volta e andar por onde era permitido, com calma que ele iria nos esperar. Fizemos a volta e conseguimos entrar no trem (ufa!).

12 – Pisa – Apartamento inteiro reservado pelo Booking pago em dinheiro – 57.20.

Chegando em Pisa, tínhamos a subida a torre marcada para as 17:30. Sem problemas, afinal chegamos la no início da tarde, iriamos largar as malas e então nos dirigir a praça onde tem a torre.

Esperamos o proprietario do apartamento que reservamos por mais de 1 hora, quando ele finalmente chegou nos informou que não iria mais locar o mesmo pra gente, e que nos levaria para um hotel. Concordamos com ressalva, afinal o hotel era do outro lado da cidade e chegando lá vimos que ficava em um andar de um prédio, o que achamos muito suspeito. Após muito discutir com ele que queria que nós cancelassemos à reserva em vez dele (eu não nasci ontem meu filho, sou brasileira, o que mais acontece na vida é gente tentando me passar pra trás), e sendo que havíamos reservado um apartamento, e iriamos pagar o mesmo valor pra ficar em um quarto de um hotel muito suspeito. E nisso se passou mais um par de horas. Como eu assisto muito filme de terror, decidi que não estava pronta pra rifar meu rim e optamos por ir pra torre de mala e tudo. Conseguimos um táxi que nos levou a torre com a garantia de que iríamos conseguir chegar a tempo pra subir na torre e compriu com o prometido! Guardamos as malas lá no guarda-volume, conseguimos subir na torre a tempo pois o pessoal lá foi muito camarada e agilizou as coisas pra gente (tanto no guarda-volume e na fila da torre).

No fim, conseguimos nos hospedar em um outro apartamento da Roberta Cisanello pelo mesmo valor. Obrigada Roberta!

Pisa a Florença de trem.

13, 14 e 15 – Florença (Reservado pelo Airbnb pago no cartão em 3x) – R$ 617.

Chegando em Florença assim que localizamos a acomodação eu parei na lavanderia pra lavar as roupas pois fazia dias que não conseguíamos lavar nada. Foi então que tivemos um problema na hora do check-in, como a reserva estava no meu nome não quiseram deixar o Gabriel fazer o check-in, eu tive que ir la e fazer. Mas no fim, deu tudo certo.

Florença a Roma de Trem.

16, 17, e 18 – Roma – Apartamento inteiro reservado pelo Booking pago em dinheiro – 210.

Em Roma no ultimo dia pegamos uma moto e descemos até a Siracusa com ela. Como tinhamos de deixar em Siracusa mesmo, foi dificil conseguir uma empresa que fizesse esse serviço, porém conseguimos isso pagando a “bagatela” de 300.

19 – Nápoles – Apartamento inteiro reservado pelo Booking pago em dinheiro – 70.

20 – Trecase – Apartamento inteiro reservado pelo Booking pago em dinheiro – 70.

21 – Salerno – Apartamento inteiro reservado pelo Booking pago em dinheiro – 70.

Chegamos no apartamento que havíamos reservado, e o proprietário não nos respondia, ligamos e não atendia, então entendemos o recado e fomos procurar um hotel de última  hora. Nesse caso em especial, meus mais sinceros agradecimentos ao Booking, que após  meu relatório reclamando do caso, me pagou a diferença do valor que gastamos com o hotel que era de 90.

22 – Paola – Apartamento inteiro reservado pelo Booking pago em dinheiro – 40.

Nossa viagem acabou atrasando muito e tivemos que cancelar a nossa reserva poucas horas antes e decidimos pegar um hotel de beira de estrada pois fazia muito frio depois que o sol se punha. Não tenho a menor ideia de onde ficamos, mas nos hospedamos em um hotel de agroturismo (muito comum aqui), onde no café da manhã comemos umas bolachinhas caseiras maravilhosas! Nunca vou esquecer das bolachinhas.

23 – Parghelia – Apartamento inteiro reservado pelo Booking pago em dinheiro – 45.

24 e 25 – Siracusa – Apartamento inteiro reservado pelo Booking pago em dinheiro – 136.

Siracusa a Catânia de trem.

26 – Catania – B&B reservado pelo Booking pago em dinheiro – 49.

Único passeio que queríamos fazer era visitar o vulcão Etna, que inclusive estava em atividade naquele dia. Porém fora da alta temporada (meses 6, 7 e 8) os passeios só saem de manhã, e nos chegamos a cidade de tarde. Ou seja, não conseguimos fazer nada, sem falar de que foi a cidade mais feia que conhecemos. Sujo e mal cuidadada.

Catânia a Fiumicino de avião.

27 – Fiumicino – B&B reservado pelo Booking pago em dinheiro –  59.

Fiumicino a Aeroporto – transfer (o proprietário da propria acomodação nos levou pro aeroporto, tudo combinado com sua esposa brasileira!).

Moral da história: para pagar menos, se programe e reserve o mais cedo possível. Não é porque esta de férias que pode relaxar 100%. Coisas podem dar erradas e tu tem que estar pronto para poder resolve-las o mais rápido possível.

Se não quer ter surpresas ou não esta afim de lidar com possíveis problemas, só se acomode em hóteis.

Evite indisponibilidade de lugares nos trens ou ter de viajar de madrugada, compre as passagens com dias de antecedência ou até meses, dependendo da época (alta temporada) que for viajar.

No mais, boa sorte e boa viagem! 🙂

Anúncios

Proposta de emprego, e agora?!

maio 13, 2018

Nesse meio tempo em que eu negociava a venda do meu apartamento, que pesquisávamos sobre a vida na Itália e organizávamos a burocracia para poder entrar com o Chuck no país sem maiores problemas, o Gabriel fez algumas entrevistas via Skype com algumas empresas, mas sem muita ambição. A intenção era mais ver como eram as entrevistas mesmo, exercitar um pouco o italiano dele que estava meio enferrujado e ir abrindo portas no mercado de trabalho italiano.

Bem, em um dia de 2016, sem imaginar o Gabriel recebeu uma pré-proposta de emprego. Levamos um susto, porque não imaginávamos que isso poderia ocorrer com tanta rapidez.

Era uma empresa que terceirizava pessoal. Vimos que a maioria das empresas de TI trabalham com terceirização de pessoas. Para quem não conhece esse tipo de empresas, funcionam assim uma empresas contrata pessoas, porém essas pessoas trabalham para outras empresas. Eu, nesse momento trabalhava assim então sabia que era bastante tranquilo. Particularmente eu até prefiro, pois posso mudar de projeto de tempo em tempo, fazer sempre o mesmo trabalho não combina muito com o meu perfil.

Outra questão que se diferencia do Brasil é que na Itália não existe salário mínimo então é um pouco difícil definir um salário quando esse assunto surge. Precisamos pesquisar bastante e vimos que um desenvolvedor C com a nossa idade (na Itália as pessoas ingressam no mercado de trabalho aos 30 anos, e por isso são consideradas Junior aos 30 anos de idade!) recebe um salário entre € 1200 e € 1700. Dependendo da experiência pode ganhar mais ou menos. Vimos que o salário oferecido era de acordo. E dessa forma o pavor aumentou ainda mais, pois não seria uma desculpa aceitável… hihihi

Nós não éramos casados, o Chuck não estava com a situação regular e nem meu apartamento estava oficialmente vendido, porém conversei com alguns familiares e amigos e decidi arriscar, falei pro Gabriel que se ele aceitasse a oferta a gente iria dar um jeito.

Vimos que existia a possibilidade de casarmos na Itália, porém pensamos que tudo que pudéssemos fazer no Brasil seria melhor, afinal seria na nossa lingua mãe, o que facilitaria um pouco. Deixamos as coisas seguirem seu curso natural e iríamos fazer o que desse para fazer com o tempo que tínhamos.

Por sorte, essa oportunidade acabou não dando certo mas vimos que era hora de dar mais alguns passos.

Para que eu pudesse residir na Itália com o Gabriel, entendemos que deveríamos estar casados (não entendemos como funcionava uma união estável, sinceramente) e eu deveria entrar com o pedido de um Permesso di Soggiorno quando estivesse lá (falarei sobre isso mais pra frente). Nossos planos era de casarmos em 2017, porém optamos por adiantar um pouco e marcamos nosso casamento para Agosto de 2016, fizemos apenas um jantar simbólico com alguns familiares e amigos mais próximos e casamos no civil.

Após o casamento o Gabriel teve que solicitar uma certidão de inteiro teor, buscar um tradutor juramentado no site do Consulado Italiano e que fizesse a apostila de Haia (que é feita em qualquer cartório no Brasil).  Depois de pronto, levar para o Consulado e solicitar a alteração no estado civil dele. Sugiro a todos fazer isso antes de sair do Brasil, pois facilita um pouco depois quando for solicitar o permesso di soggiorno.

Valor: R$ 100,00 (em torno).

Tivemos muita sorte, pois os padrinhos do Gabriel nos presentearam com passagens para a Itália, e em Abril de 2017 viajamos por 27 dias conhecendo a Itália de Norte a Sul. E assim, pudemos verificar que o que imaginávamos realmente era verdade.

Cidades que conhecemos: Roma, Tivoli, Milão, Como, Veneza, Pisa, Florença, Nápoles, Costa Amalfitana, Trecase, Paola, Parghelia, Tropea, Siracusa, Catania e Fiumicino. Se quiserem que eu fale sobre a viagem, me avisem que faço um post só sobre a viagem.

Após a viagem confirmamos que Milão combinava muito com os nossos anseios, pois é uma cidade grande com muitas ofertas de trabalho porém não grande demais, cada bairro tem um ar diverso, e vida própria, cachorros são seres super bem-vindos em quase todos os lugares (menos nos mercados), e os meios de transportes públicos funcionam muito bem (mesmo em dias que tem greve!).

 

Trazendo seu cusco do Brasil para a Itália

maio 6, 2018

Em 2017, eu trouxe o meu cusco, um yorkshire de 5 kgs e meio de Porto Alegre para Milão. Para poder trazer ele, foi necessária muita pesquisa e organização para conseguir atender tudo que era solicitado, algo em torno de 5 meses.

1 – Colocar um microchip em concordância com as ISOs 11784 e 11785. Quem colocou no Chuck, foi a Vivi, veterinária da Cesal em Porto Alegre, ela trabalha com o microchip da Virbac, que é compatível com ambas as ISO’s citadas acima.

Inclusive eu tive um problema em relação ao certificado do microchip no Ministério da Agricultura, pois o que eu tinha, não dizia que era compatível com essas ISO’s, e nesse momento eu nem em Porto Alegre estava mais, então entrei em contato com a Virbac que me atendeu prontamente me enviando o certificado novo. Eu enviei pra Vivi, que preencheu, assinou e me enviou. Então eu imprimi o certificado novo, e anexei ao processo (darei mais detalhes a seguir…) e tudo certo!

Valor: em torno de R$100,00.

2 – Dar a vacina anti-rábica (eu li que so é aceita a internacional, como é essa que a Vivi sempre deu, não tive essa preocupação) e esperar 30 dias.

Valor: em torno de R$100,00.

3 – Fazer a coleta do sangue e enviar para análise em um laboratório credenciado. Em 2016, quem fez a coleta e enviou para o laboratório de Zoonose de São Paulo foi a LaborVet. Obtivemos o Certificado Zoossanitário Internacional em pouco mais de um mês. Até onde eu sei, hoje em Maio de 2018 não tem mais nenhum laboratório no Brasil apto a fazer esse exame, porém no site da LaborVet eles informam que continuam realizando esse trabalho.

Valor: em torno de R$100,00.

4 – Após o resultado do laudo, aguardar por 3 meses (em quarentena).

5 – Pouco antes da viagem, a essa altura eu estava em Itajaí com o Chuck aproveitando os últimos dias no Brasil com a minha mãe e com a minha irmã. Com a ajuda do Andre que trabalha com a minha mãe e já conhecia a clínica, agendamos um horário para fazer um atestado de saúde do Chuck, é um atestado especial e tem uma cópia no site do Ministério da Agricultura, aconselho fazer com alguma clínica que já esteja acostumada pois é um pouquinho chato e longo de ser feito.

Valor: acho que paguei o preço de uma consulta normal, mas não tenho certeza.

6 – Preencher esse formulario, tirar cópia dos documentos e autenticar em cartório:

  • Carterinha de vacinação;
  • Certificado de Zoonose Internacional;
  • Atestado;
  • Certificado do microchip.

Então levar todas as cópias e os originais ao Ministério da Agricultura – Vigiagro, para eles então emitirem um Certificado Veterinário Internacional informando que o animal pode viajar e não apresenta nenhum risco a saúde dele e de ninguém. Ouvi dizer que precisa agendar, mas em Itajaí, eu fui sem horário pré-agendado e fui muito bem atendida. Aconselho fazer isso com no mínimo uma semana antes da viagem pois se algo der problema, da tempo de ir atrás (dependendo do tamanho do problema é claro). Porém cuidado, que a validade é de 10 dias!

Mais informações: exigências.

A compra da passagem: aconselho a todos a fazerem por telefone! Pois já fica confirmado que terá lugar para seu animal no mesmo vôo que você, já que cada empresa trabalha com um limite pequeno de animais por vôo.

Valor: R$200 (trecho Florianópolis a Natal pela Avianca) + R$ 563.46 (trecho Natal a Milão pela TAP).

A caixa de transporte: graças a Deus, o Chuck tinha o peso justo para poder viajar na cabine comigo (peso aceito = peso do animal + caixa de transporte), só precisava comprar uma caixa de transporte que em cima fosse mole (não pode ser rígida) e que coubesse na poltrona da frente a minha. Nós optamos por uma da Ferplast, pois a qualidade era ótima e as dimensões eram justas. Infelizmente cada empresa trabalha com um peso e dimensões diversas, aconselho pesquisar nos sites das empresas e confirmar com o atendente pelo telefone no momento da compra da passagem.

Valor: em torno de R$350,00 (no centro de Porto Alegre).

Eu optei por quebrar a viagem em trechos menores pois o animal não pode sair da caixinha de transporte durante todo o vôo . Em Portugal o Chuck podia ficar caminhando tranquilamente dentro do aeroporto, mas em Natal ele tinha que ficar dentro da caixinha já dentro do aeroporto. Fiz os cálculos para que ele não ficasse mais que 8 horas dentro da caixinha pois eu ja sabia que era um tempo que pra ele ficaria tudo bem.

Graças a Deus, deu tudo certo, chegamos bem em Milão, ambas as empresas nos trataram super bem e não tive nenhum problema.

Não sei como funcionam todas as cidades, porém aqui em Milão o animal deve ser registrado no Anagrafe Animale, só após isso o animal pode tomar as devidas vacinas. O registro é agendado por telefone e feito em pouco mais de 30 minutos. Já sai do ufficio com o registro realizado.

Valor: € 7,14.

Milano: sarai tu la nostra nuova città!

abril 26, 2018

A nova cidade onde irá habitar, acredito que seja uma das escolhas mais importantes, pois irá influenciar nos gastos, na busca pelo próximo emprego e também no tempo para fazermos todas as burocracias necessarias (essa informação não era tao claro para nós antes de residirmos na Itália).

Para escolher a cidade usamos duas estratégias:
1 – Saber o custo de vida (e por consequência quanto precisaríamos ganhar para nos sustentarmos): usamos alguns sites de comparação de custo de vida para sabermos a diferença nos gastos que tínhamos morando no Brasil e que teríamos morando na Itália.
Os sites que usamos para fazermos essas comparações foram os seguintes:
http://www.numbeo.com/cost-of-living
https://www.expatistan.com/cost-of-living

2 – Oportunidades de emprego: por motivos óbvios, morar onde tem mais ofertas de emprego facilita (e muito) a vida da gente. Usamos os mesmos mecanismos que citei no post anterior para buscar por essa informação:
* Buscas no linkedin,
* Buscas em sites de emprego local (iprogrammatori, monster, no caso da área de tecnologia).
Uma coisa importante é descobrir justamente esses sites locais relevantes para cada área, isso é possível através de uma busca por oportunidades referentes ao seu titulo profissional em seu buscador preferido.

através da primeira busca descobrimos que para morarmos em Milão, teríamos de ter um salario 30% maior que o de Porto Alegre para termos a mesma qualidade de vida (pensando apenas em gastos/dinheiro, pois não se paga por segurança – ao menos não nós meros mortais). Já através da segunda busca, concluímos que teríamos mais chance de encontrarmos um emprego na área de tecnologia se optássemos por Milão. Torino também tinha bastante opções para baixo nível em função das montadoras de carros mas Milão ainda nos proporcionaria mais.

Muitas pessoas optam por morar em cidades pequenas vizinhas as cidades grandes, principalmente pelo custo de vida. É uma opção super interessante, porque os gastos caem muito e várias dessas cidades são conectadas as cidades grandes através da metropolitana mesmo ou dos trens “passantes”. Acaba se tornando uma opção bastante interessante também porque em alguns casos diminui o tempo de espera para que algumas burocracias se resolvam (como para obter o “permesso di soggiorno”).

Nós não optamos por essa opção principalmente pelo fator tempo. Nesse momento das nossas vidas eu gastava em média 3 horas por dia dentro de transportes públicos, o que para mim isso era totalmente inaceitável! Queria perder o minimo de tempo possível presa em um transporte e mais tempo fazendo coisas que realmente gosto, como passear com meu cusco por exemplo.

Outro fator que foi importante não apenas na escolha da cidade, mas também na escolha da localização dentro da cidade, foi que seria muito mais fácil nos locomovermos morando perto de uma estação da metropolitana, também seria muito menos estressante, pois por exemplo, o Gabriel em Porto Alegre andava em média 1 hora e 30 minutos de moto todos os dias, o que proporcionava muito estresse já que devia prestar atenção 100% do tempo no transito, além de muitos perigos já que poderia ser assaltado ou ainda arrumar alguma briga de transito pois como todos sabemos todos os motoristas odeiam motociclistas (menos os motociclistas é claro).

Por fim, optamos por morar perto de uma metropolitana em Milão!

Aguardem as cenas dos próximos capítulos, sem hora ou dia definido mas nesse mesmo canal!

Quando decidimos nos mudar… para a Itália.

abril 18, 2018

Nas férias de ano novo em Janeiro de 2016, quando os preços das coisas começaram a subir muito, decidimos passar as férias na casa da minha mãe em Itajaí para economizar alguns pilas, nosso salário que era razoável já não estava mais rendendo como antes.

Conversando sobre a situação financeira do Brasil, da política e nossas expectativas sobre o nosso futuro profissional. A industria é o que fomenta o desenvolvimento de software de baixo nível e que é o que nós mais gostamos de fazer, já teve dias melhores no Brasil. A segurança ia de mal a pior, nesse momento Porto Alegre ainda não beirava o caos mas já estava bem perto. Nesse momento eu já tinha presenciado uma tentativa de execução, regressando da pós-graduação em um ensolarado sábado à tarde na frente do Big da Sertório. E mesmo assim nem me passava pela cabeça que Porto Alegre ainda veria dias piores… O que concluímos foi que deveríamos deixar o Brasil para buscarmos por uma vida melhor.

Foi então que meu então namorado na época comentou que tinha cidadania Italiana e que talvez seria interessante conhecermos um pouco mais sobre a nossa área de trabalho e dar uma sondada no mercado de trabalho na terra dos nossos nonos e nonas.

Quando regressamos a Porto Alegre decidi colocar o apartamento que minha mãe havia me dado à venda, pois como disse antes, o dinheiro já não andava rendendo muito e de qualquer forma não fazia mais sentido pra mim pagar entre R$600 e R$700 todo o santo mês até o fim da minha vida para não usufruir de nada das coisas que eu estava pagando.

Nos dias seguintes pesquisamos por sites de oportunidades do setor da tecnologia, e descobrimos alguns, mas resolvemos testar um que aparentava ter mais oportunidades para desenvolvedores: iprogrammatori. Cadastramos nossos currículos (eu em inglês porque não sabia patavinas de italiano) e esperamos pra ver o que ia acontecer. Na época eu trabalhava como Scrum Master e C developer para linux embedded. E meu namorado como C developer para linux embedded.

Para nossa surpresa, na mesma semana eu recebi dois convites para processos seletivos e meu namorado mais alguns. Foi então que nossos olhos brilharam, profissionais com as nossas qualificações teriam sim espaço no mercado de trabalho na Itália!

Deveríamos então pesquisar sobre custo de vida, como eu faria para morar legalmente lá já que eu não tinha cidadania e o mais importante, como é que faz para levar o cusco junto?!

Aguardem as cenas dos próximos capítulos nessa mesma hora e nesse mesmo local, mas sem data definida.

Crueldade nunca mais!

janeiro 19, 2012

Bom dia,

Faz muito tempo que não posto nada porém um evento muito especial exigia um post meu.

Todos temos acompanhado eventos onde seres humanos realizam atos de crueldade com diversos seres, sendo eles humanos ou não. Porém, acredito que em função da inclusão digital esses eventos  tem encontrado as massas mais populares. Diferente da grande maioria, eu sei que muitos seres não humanos são negligenciados e mal tratados todos os dias de diversas formas e por diversas razões, isso porque eu busco a informação em função das minhas crenças.

Fico feliz que alguns seres humanos resolveram realizar um protesto, principalmente buscando que ocorra consequências paras os casos de crueldade com seres não humanos. Justiça deverá ser feita. 

Estudos comprovam que seres humanos com capacidade de assassinar outros seres tem propensão a matar seres humanos. Geralmente sociopatas/psicopatas/serial killers iniciam seus “estudos”  comportamentais em relação à morte de outros seres, com exatamente seres não humanos. 

Desta forma acredito que esses casos em que a mídia tem dado maior atenção sobre crueldade com animais serve de alerta para a sociedade, onde a impunidade gera sentimento de superioridade, onipotência causando a necessidade de matar novamente. [1] [2] [3]

Enfim, domingo agora, dia 22 de Janeiro irá ocorrer uma passeata em diversos pontos do Brasil e em algumas cidade do mundo, buscando o fim da crueldade com animais. Claro que isso não irá resolver   os problemas, mas é um inicio. Convido então a todos que participem e apoiem a causa!

Segue o link com todas as informações necessárias para quem quiser participar:

http://www.anda.jor.br/09/01/2012/saiba-os-locais-onde-serao-realizadas-manifestacoes-pelos-animais-no-brasil

Eu vou participar e gostaria que quem fosse depois me conta-se sobre a sua experiência.

Bom final de semana.

Abraços!

Imagem

 

—-

Links para artigos que fundamentam a minha afirmação:

[1] http://www.unifor.br/joomla/images/pdfs/Pensar/v15n1_artigo13.pdf

[2] http://intertemas.unitoledo.br/revista/index.php/Juridica/article/view/2682/2460

[3] http://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=QY2sQKHOQXsC&oi=fnd&pg=PA7&dq=sociopatas+assassinam+animais&ots=ADta3vouL8&sig=jMWRRP5oIgdxd-fTbyEu9YkAtis#v=onepage&q&f=false

Bienal

setembro 5, 2011

Bom dia,

Alguns dias estava eu vindo para o trabalho quando me deparei com um cartaz falando sobre a Bienal que irá ocorrer esse ano. Para mim é impossível ouvir o nome Bienal e não lembrar do cão que deixaram a morrer por negligênia (sem comida, sem água e sem cuidados médicos) em nome da arte.

Comecei a refletir sobre que arte é essa então que deixa um ser inofêncivo morrer em seu nome? Triste, no mínimo.

Analisando de forma bastante racional, acho que seria igualmente interessante criar um animal racional em um ambiente excluído ao externo, ou seja, fechado em quatro paredes até sua idade adulta, então parar de alimentá-lo e ver quanto tempo e como será o comportamento desse ser racional dias antes de seu óbito. Pode parecer radical para muitos, mas sacrificar um ser que não tem como se defender e sacrificar um ser que foi criado para não se defender, é a mesma coisa. Ou não?

Não entendo que arte é essa que mata ao em vez de criar, que destrói ao em vez de construir, que tira sonhos ao em vez de proporcional outros. De um arte assim, eu gostaria de fazer parte do grupo que tem como lema: “A ignorância é uma dádiva”. E que a sociedade e meios organizacionais como o da Bienal começassem a tomar providências e não aceitar “obras” e “artistas” como estes.

O mundo já não tem muitas eventos ruins atualmente, precisa um evento artísticos retratar e expor mortes e tristezas também?

Abraços.